Outubro Rosa reforça importância do diagnóstico precoce do câncer de mama

Autoexame e exames de rotina são fundamentais mesmo em tempos de pandemia
Magda Celidório (Arquivo pessoal)

Até 2022, mais de 65 mil casos de câncer de mama serão registrados no Brasil, segundo projeção do Inca (Instituto Nacional do Câncer). O número pode ser maior, já que muitas mulheres deixaram de ir aos consultórios por conta da Covid-19.

Pesquisa do Instituto Ibope confirma o que já era esperado. Das 1,4 mil mulheres entrevistadas no País, 62% responderam que retomarão as rotinas dos exames somente depois da pandemia.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) e a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) estimam que, de março a junho deste ano, 70 mil brasileiros com câncer deixaram de receber o diagnóstico.

Diante da atual situação, a campanha Outubro Rosa reforça a importância da prevenção. Criada internacionalmente em 1991 para estimular as mulheres a se conscientizarem sobre o câncer de mama, no Brasil o movimento ganhou força a partir de 1997.

Diagnóstico precoce pode salvar sua vida

Em 2012, a enfermeira Magda Celidório notou algo diferente durante o autoexame. “Sempre fiz autoexame no banho e, em uma das vezes, descobri um caroço no seio”, disse. De acordo com o Inca, o diagnóstico precoce aumenta em 95% as chances de cura.

Apesar da importância, o autoexame não substitui o exame clínico, e Magda procurou ajuda médica. “O resultado da biópsia foi carcinoma ductual invasivo. Então iniciei o tratamento com quimioterapia e radioterapia, que durou de junho de 2012 a outubro de 2013, até a cura”, conta.

Foi graças à prevenção que o câncer enfrentado por Magda não se espalhou para outros órgãos. “O autoexame me ajudou muito, e o câncer não agrediu os linfonodos. Meu diagnóstico poderia ter sido outro e, talvez, eu nem estaria aqui para contar minha história”, afirma.

Hoje, a enfermeira incentiva o autoexame e os exames de rotina a todas as mulheres. “É muito importante e a mulher precisa, em qualquer situação de anormalidade que ela encontrar, procurar o médico para tirar a dúvida. Quanto mais cedo o diagnóstico, maior é sua probabilidade de cura”, finaliza.

Segurança em consultórios e laboratórios

Para minimizar o medo e atenuar a baixa procura por exames e tratamentos, clínicas médicas passaram a adotar normas e procedimentos de segurança, como agendamentos prévios, distanciamento nos espaços e distribuição de produtos de higiene.

A fim de proteger os pacientes, hospitais de referência também passaram a analisar caso a caso, limitando tratamentos que tragam maior alteração da imunidade, uma vez que o novo coronavírus se utiliza dessa fragilidade para se instalar no organismo das pessoas.

Magda Celidório (Arquivo pessoal)

Comentários

{{comment.comment_author}}
{{comment.comment_date}}
{{comment.comment_content}}
Ver mais comentários

Materias Anteriores

Psicóloga explica como gerenciar as emoções no trabalho e dominar essa habilidade
Especialista indica leituras que podem favorecer no processo de gestão
Associação Brasileira do Sono apresenta material para ajudar na rotina durante a pandemia